Águas de março

Mar em Tramandaí no primeiro fim de semana de março. Foto: Nelson Rech Wagner / Colaboração Litoral na Rede

Tudo por aqui é diferente sendo igual, porque o praieiro vive dos detalhes, do calendário que favorece sua preferência, espia sempre o que a natureza litorânea está lhe assoprando, estica o pescoço para qualquer fresteio de mar que lhe passa pela frente, pelo lado ou por detrás, respira a maresia como se este fosse o melhor oxigênio do mundo assim como seus passos são guiados na busca do assombro. E neste março não é diferente.

O despertar mudou de tom e sem saber direito como, impera um silêncio quase mortal que é tão familiar que não assusta, pelo contrario, despudora-se as apreensões e com uma maneira sempre peculiar anuncia-se o mês que na normalidade daqui encerra-se uma prática para dar lugar àquela outra, que é habitual até em pensamento, mesmo que este queira se afogar em águas veranistas que por conta da personalidade indômita do mar, não existe mais, por ora.

Assim a natureza organiza-se com certa escravidão ao calendário e vai respondendo com cáustica ironia aos que partiram sem olhar para trás, aos que esvaziaram suas moradas sem perceber que estes espaços provavelmente vão chorar ausências, vão sentir falta da confusão, da risada destrambelhada, do choro das crianças, da buzina do picolé e da voz sempre igual do vendedor de sonho e pão caseiro.

Com sede de vingança as águas de março se transformam e refutam atitudes drásticas do clima e rindo á toa pintam o mar de verde Caribe, a brisa sopra o suficiente para deixar refrescado quem se instalou cedíssimo na beira do mar, o sol resolve ter companhia e o vai e vem de nuvens fofas como algodão passeia pelo céu azul, as bandeiras do guarda-vidas mudaram de cor e tremulam com preguiça no alto das Guaritas. A areia e o mar comemoram as “aguas de março fechando o verão”.

COMPARTILHAR