Caminhada

Dia denso quando o mar reflete o seu cinza outonal por toda a parte e me parece que a natureza responde ao chamado do soberano, mais não seja porque a orla gaúcha se acomete de muitos efeitos enquanto a estação quente não se aproxima, ou, melhor dizendo, quando as estações amenas tem a primazia junto aos seus moradores. A atmosfera e o vento inexistente se dão as mãos e tudo na beira da praia conspira para prover uma caminhada lenta, de pés descalços nas areias frias como se a gente fosse criança ainda. Este é o poder do mar gelado para quem lhe tem como companhia ao alcance dos olhos e dos pés.

O oceano recuou e suas ondas vez ou outra vem brincar bem perto das dunas, fazendo um jogo de corrida em alguns trechos, voltando ao leito dando risada da traquinice e embolando os bichos de praia que não andam com a preocupação de adernar por ora, mas com a invasão aquífera rolaram de volta ao curso.

No percurso que fico seguindo acabo jogando meus pensamentos mais revoltos nas areias da beira mar, talvez com a má intenção de vê-los se perderem por ai, como se fossem despojos de navios, carcaças de peixes, linhas e redes de pesca enroladas em trastes arremessados ao mar, e agora, vagam sem destino.

Vou jogando, de primeira, tudo o que o dia a dia me coloca pela frente, simplesmente por estar distraída, por não ter tido em meus olhos o filtro correto para o que aparece de fato e não o que pretende ser. Na sequencia, vejo afundar como se areia movediça fosse, estes sinais.

Ao levantar os olhos para o horizonte, lá estão os dois – nuvens e oceano – partilhando da mesma cor e calma, em comum acordo, sem nenhum dos dois disputar a melhor beleza evidenciando que esvaziar a mente significa que se pode, por um período, deixar a existência monocromática.

COMPARTILHAR