Final de ano

Não dá mais para correr porque ele nos pegou em primeira mão. O final do ano nos alcança e na partida para o término não deixamos de olhar para trás, para ver retrospectivas, para fazer um balanço geral, para colocar as brigas no reformatório, para olhar no entorno do mundo – e também mais perto – tendo a certeza de que muito mal foi feito, a vida perdeu certo sentido de leveza e graça porque neste estancada geral e visão do balanço, a conta não fecha.

Melhor sentar um pouco, logo ali na virada final para ver o que estamos trazendo dentro do alforje. Este umbral do Ano Velho para o Ano Novo pode ter algum ponto sem nó, pode haver também uma magia secreta escondida junto à nossa bagagem de boas intenções. Vai que alguns ou todos os males feitos do mundo no ano passado acharam por bem pegar uma carona em nossas costas, se enfiaram na trama da mochila, se disfarçaram como do bem dentro de nossa bagagem mais pesada. A intuição falou mais alto e assim, antes de avançar no novo caminho, deixamos estes equipamentos mais doídos para trás.

Então fica decidido que levaremos apenas a bagagem de mão e que assim mais leves, sem a curva da coluna vertebral vergada de tanta desgraceira que tivemos que transportar, terá a chance de visualizar um ano que vem melhor, mais leve. A conferência do conteúdo da pequena maleta que na corrida e de última hora lembramos de enjambrar vai surpreendendo à medida que se faz a conferência dos itens. A surpresa se contabilizou porque dali nada havia de utilidade, nada de bens materiais, objetos úteis e inúteis, coleções supérfluas, bloco rabiscado, livro de cabeceira, porta retrato, fita ou laço, um grampo, uma carteira, um óculo, uma chave, um dinheiro, nada.

O que fluiu de dentro desta bolsa simplória, arranjada às pressas porque o trem do tempo não aguarda, foi, em primeiro lugar, um perfume não identificado no dia a dia, uma essência que ao ser inspirada encheu os pulmões de uma brisa que imediatamente oxigenou todas as fibras do cérebro, causando assim uma reação em cascata. A lida continuou surpreendendo porque o próximo embrulho tinha uma bela embalagem que de certo modo não podia ser vista a olho nu, porque eram palavras que se desenhavam no ar formando frases de solidariedade, de amor, de incentivo, de ajuda, de socorro, de alegria e de esperança. E deste jeito o alforje se projeta como sendo um saco de sentimentos, de desejos bons, de possibilidades de se fazer outro caminho, individual e coletivo para este Novo Ano que começa.

COMPARTILHAR