Governo mantém a bandeira vermelha no Litoral Norte

Restrições mais severas iniciam nesta terça-feira; prefeitos de 12 cidades da região, que não tiveram hospitalizações e óbitos por Covid-19 nos últimos 14 dias, poderão adotar protocolos da bandeira laranja

Imagem: divulgação Governo do Estado

Após analisar o recurso de contestação da Associação dos Municípios da região (Amlinorte), o governo do Estado, decidiu manter a bandeira vermelha (alto risco) no modelo de Distanciamento Controlado, no Litoral Norte. A decisão atinge também outras três regiões: Porto Alegre, Canoas e Novo Hamburgo.

A região de Palmeira das Missões, anteriormente classificada com a bandeira vermelha, voltará para a de cor laranja, de baixo risco. Essa região foi à única que teve êxito nas argumentações dos prefeitos apresentadas ao governo.

O governador Eduardo Leite, anunciou durante a decisão, novidades em relação a bandeira vermelha: os municípios sem registro de óbito ou internação por coronavírus nos últimos 14 dias poderão seguir os protocolos da bandeira laranja. Nesses casos, a definição será de cada prefeito.

Dos 23 municípios do Litoral Norte, 12 estão nessas condições e poderão adotar restrições mais brandas: Arroio do Sal, Balneário Pinhal, Capivari do Sul, Dom Pedro de Alcântara, Itati, Mampituba, Morrinhos do Sul, Mostardas, Palmares do Sul, Tavares, Três Forquilhas e Xangri-lá.

Nesse domingo (22), os prefeitos do Litoral Norte realizaram uma reunião virtual para decidir sobre o recurso de contestação. O presidente da Associação do Municípios da região (Amlinorte), o prefeito de Imbé, Pierre Emerim, afirmou que um dos argumentos dos municípios da região é de que o governo não está considerando o aumento da população da região, estimado em 25%, desde o início da pandemia.

Pelos cálculos da Associação, a vinda de veranistas para o Litoral neste período, elevou o número de pessoas de 400 mil para 600 mil. Além desse argumento, foram  apresentados outros, como o do baixo investimento na região em relação a outras áreas do Rio Grande do Sul. “Tivemos apenas 22 leitos de UTI Covid a mais do que tínhamos antes. Se comparado a investimentos em outras regiões, ele é ínfimo, desproporcional”, avaliou Pierre.

As argumentações apresentadas pela Amlinorte não foram aceitas pelo Gabinete de Crise, que se reuniu nesta segunda-feira (22), para discutir com o governador Eduardo Leite, as contestações dos municípios do Litoral Norte e das outras regiões classificadas como de alto risco.

A divulgação do distanciamento controlado com a definição das bandeiras para esta semana, ocorreu nesse sábado (20). O Litoral na Rede entrevistou os prefeitos de Tramandaí, Imbé, Capão da Canoa, Osório, Torres e Santo Antônio da Patrulha para saber a reação de cada um deles sobre a avaliação do governo do Estado que classificou o Litoral Norte com a bandeira vermelha.

COMPARTILHAR