O Verão

O verão chega colorido sempre e mesmo que o sol não nos brinde todos os dias como desejamos a chuva, o vento, a neblina e a maresia fazem por si mesmos uma festa de cores, saindo do prateado e assim vai tingindo com todos os matizes nossos dias. Os dias nascem embrulhados, mas sempre vão dar os costados na rua do comércio, pujante nesta época seja qual for a praia escolhida. E assim nas calçadas se perfilam verdadeiras cavernas de multicoisas, todas com serventia absoluta fazendo com que enxerguemos as nossas necessidades com clareza.

Interessantemente, a visão do conjunto nos remete aquela eterna lista que se perde e se acha das tantas e tais coisas que precisamos fazer para temporada de praia que chega. Na casa, na cozinha, na varanda, na churrasqueira, na piscina, no gramado, nos portões. Estão todos ali na lista mofada e que foi feita – mas esquecida – no final do verão passado e agora foi descoberta, largada no fundo da gaveta do armário da copa.

E assim se inicia a maratona para cumprir à risca o que aquele papel veio declarar e assim, de cara, é já na calçada que vamos riscando a lista com afoiteza porque vamos recolhendo a cadeira de praia, a canga, o caniço e o anzol, a cadeirinha de criança e a cama do cachorro, não faltando o indefectível guarda-sol que de tanto apanhar do vento se negou a ter suas varetas abertas, se fechando em copas e por este rompante foi acordar na lixeira.

Mas é nos corredores super coloridos que a lista ao invés de diminuir, só aumenta. E assim, passo a passo, os produtos se jogam sobre nós com a absoluta certeza que a eles deve ser dada a maior atenção, porque estão no tamanho perfeito, porque se enfileiram a partir da serventia, porque combina com a cortina, porque o seu igual de casa já era.

Os olhos se vão para baixo e para cima nas prateleiras brilhando de satisfação porque desta feita será cumprida a agenda anterior e muitos outros itens serão adicionados.

COMPARTILHAR