Operação coíbe pesca ilegal no Litoral Gaúcho

Durante dois dias, equipes do Batalhão Ambiental trabalharam para apurar denúncias como pesca de arrasto na costa do RS

Policiais do 1º Batalhão Ambiental abordaram pelo menos 13 embarcações durante uma operação para coibir a pesca ilegal no Litoral Rio Grande do Sul. Eles atuaram na quarta-feira (18) e na quinta-feira (19) com embarcações em águas internas e também no mar nos municípios de Capão da Canoa, Xangri-Lá, Tramandaí, Osório e Imbé, no Litoral Norte.

Em rios e lagoas foram abordadas pelo menos 10 embarcações. No mar, próximo à costa, foram outras três. Em duas, havia irregularidades em relação à documentação.

A operação foi deflagrada a partir da suspeita de que pesqueiros estariam realizando pesca de arrasto a menos de uma milha náutica da costa, o que é proibido.

O comandante do policiamento ambiental no Litoral Norte, capitão João Cesar Verde Selva, explicou que a ação de monitoramento foi realizada com o apoio do Ibama. Segundo ele, alguns barcos que estavam perto da praia em atividade suspeita de pesca ilegal deixaram a área ao perceberem a movimentação das autoridades.

“Essa ação, além de ser uma resposta às inúmeras embarcações que estavam muito próximas à costa, em atividade suspeita, também teve como objetivo monitorar o aparecimento de diversas toninhas mortas ao longo do Litoral Gaúcho. Isso coincidiu com a presença massiva de embarcações pesqueiras. Se está averiguando se essas situações têm relação ou não”, disse o capitão.

Em Rio Grande, no Litoral Sul, o monitoramento dos pesqueiros foi realizado com drones. Também houve fiscalização no Delta do Jacuí, em Porto Alegre.

COMPARTILHAR