A passarela de longe

Por Vera Renner, blogueira do Litoral na Rede

Foto: Vera Renner / Litoral na Rede

Os olhos vão longe, mirando a praia sempre sublime, com uma faixa de areia que possui chamariz para se deitar ao sol, tomar um mate, inventar historias bobas, falar de nada e de tudo sendo sempre mais interessante calar-se frente à majestade do oceano que se interna na nossa vida sem aviso nenhum. Chega e pronto. A vista se estende de lado a lado sem ressalvas engolindo tudo o que se passa pela frente tendo o cuidado de tudo absorver e não foi diferente o encontro visual com aquela passarela.

Ela se atravessava na paisagem dando a impressão de ser um convite, uma deferência para que alguns pudessem ter acesso ao mar com facilidade e assim foi feito. Por ali se iniciou o desfile de beldades que recorrem ao sol para ter a pele bronzeada e sedutora, outros para absorver o que o Rei Sol pode proporcionar sem danos, outros ainda bengalando com certa dificuldade se vão areia afora para um banho de mar, para delicia de ter seus pés na areia morna sem grandes riscos, nestes dias amanhecidos prematuramente. Nem sempre a natureza é pródiga em seus passadiços.

A passagem veio dar uma chance ao trânsito maroto de toda a traquitana praieira sem grandes problemas, facilitando o andar mais lento, apoiando quem nem sapatos querem usar nesta temporada e protegendo da quentura senegalesa do chão. A estrutura se posiciona estrategicamente como uma concessão da beira de praia a quem vem usufruir da sua companhia.

É por pouco tempo, então melhor que a maré não interfira que lhe deixe pousada por mais um instantinho, afinal, o melhor do veraneio – para os praieiros – é quando acaba. Porem, nem todos os olhos enxergam o óbvio e com uma névoa que empana o acerto e um longo suspiro de tristeza brotando do peito, vê-se a travessia ser abduzida do bem coletivo.

COMPARTILHAR