Perícia confirma que sangue encontrado em camiseta era do menino Miguel

Roupa foi recolhida na casa onde o menino vivia com a mãe e a companheira, acusadas de matar a criança

Foto: divulgação Polícia Civil

O Instituto Geral de Perícias (IGP) confirmou, na tarde desta quinta-feira (12), que o sangue encontrado em uma camiseta recolhida da residência do menino Miguel dos Santos Rodrigues, de sete anos, em Imbé, é mesmo da vítima.

A mãe da criança Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, de 26 anos, confessou a Polícia que espancou o filho e junto com a companheira, Bruna Nathiele Porto da Rosa, de 23 anos, jogou o corpo no Rio Tramandaí.

Para chegar ao resultado, os peritos da Divisão de Genética Forense do Departamento de Perícias Laboratoriais (DPL) do IGP extraíram o sangue da camiseta e o compararam com o material genético fornecido pela mãe da vítima, comprovando a compatibilidade.

A camiseta, de cor vermelha, foi coletada no dia 3 de agosto durante perícia de local de crime feita por peritos criminais do Departamento de Criminalística no apartamento onde Miguel teria sido morto, em uma pousada no Centro da cidade.

Buscas

As buscas ao corpo estão no 15º dia e mobilizam todos os Pelotões de Bombeiro Militar de Tramandaí, Capão da Canoa, Torres e Cidreira. O trabalho é realizado pela beira da praia depois de buscas no Rio Tramandaí, com apoio de mergulhadores da Companhia Especial de Busca e Salvamento, e por terra, com auxílio de cães farejadores.

Investigação

Yasmin está presa desde a noite de 29 de julho quando confessou o crime à Polícia. Bruna foi presa temporariamente em 1º de agosto. As duas foram indiciadas pela Polícia pelos crimes de homicídio duplamente qualificado, ocultação de cadáver e tortura.

A investigação apurou que Miguel era vítima de maus-tratos, sendo trancado em um armário e em um poço de luz, como confirma um vídeo gravado pela madrasta enquanto faz ameaças à criança. Em um caderno, o garoto era obrigado a escrever frases ofensivas a ele mesmo.

A Polícia também identificou indícios de que as duas mulheres planejavam ter um filho juntas. Uma lista de clínicas de reprodução humana foi encontrada na residência ode elas moravam.

Quer receber as notícias do Litoral na Rede no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo.

Siga o Litoral na Rede no Instagram. 

Leia mais notícias do Litoral Norte.

COMPARTILHAR