Prefeitos do Litoral Norte decidem que aulas presenciais não serão retomadas

Decisão inclui a rede estadual; Governo do RS anunciou volta gradual às escolas a partir da semana que vem

Fotos: Ivan de Andrade / Prefeitura de Imbé / Arquivo

As aulas presenciais não devem ser retomadas no Litoral Norte na próxima semana, nem mesmo na rede estadual. Nesta semana, o governo do Rio Grande do Sul anunciou os protocolos para que os estudantes voltassem aos colégios a partir da próxima terça-feira, o que motivou nova reunião da Associação dos Municípios da Região (Amlinorte), realizada nessa quarta-feira (14).

De acordo com o presidente da Amlinorte e prefeito de Imbé, Pierre Emerim, foi definido, por unanimidade, que não serão alterados os decretos municipais para permitir as aulas presenciais na região. “A decisão é para todas as escolas públicas dos municípios e do Estado (rede estadual)”, disse.

De acordo com o presidente da Amlinorte, na reunião dos prefeitos também ficou definida a possibilidade de escolas particulares de educação infantil retomarem as atividades na região.

“São alunos que podem ir mediante a manifestação dos pais e tem uma situação um pouco diferente das escolas públicas, mas isso depende de uma proposta do sindicato das escolas privadas, de uma análise técnica e de uma deliberação dos prefeitos”, informou Pierre Emerim.

Ele defende que a retomada das aulas presenciais ocorra apenas com vacinação contra o coronvaírus ou em 2021. “No ensino fundamental, no ensino médio, ninguém está deixando de ter aula. Não é presencial, mas remotamente. Não é o ideal, mas tem aula”, salientou.

Governo do RS

O governador Eduardo Leite anunciou nessa quarta-feira (14) a retomada gradual das atividades nas escolas da rede pública estadual a partir de 20 de outubro,  apenas em regiões Covid que estejam em bandeira amarela ou com pelo menos duas semanas em bandeira laranja, que é o caso do Litoral Norte.

O Estado definiu regras para o transporte escolar, para os refeitórios e para as salas de aula, com distanciamento mínimo entre os alunos, uso de máscara e máximo de 50% de alunos em sala de aula (sempre nos mesmos grupos para facilitar o rastreamento de contactantes, em caso de caso positivo).

O retorno dos alunos não é obrigatório: pais e responsáveis podem decidir se querem que seus filhos vão à escola. O governo informou que, inicialmente, será priorizado o retorno presencial para alunos com dificuldade de aprendizado ou de acesso ao conteúdo oferecido pela plataforma Google Sala de Aula.

O cronograma de retomada das atividades presenciais foi divulgado pelo governo do Estado em 1° de setembro. Na ocasião, o retorno das aulas das escolas da rede pública estadual estava previsto para 14 de outubro, uma vez que o Estado precisou de um pouco mais de tempo para adquirir todos os materiais de higiene pessoal e para contratar recursos humanos.

No Rio Grande do Sul, aulas de instituições particulares, municipais e federais de Ensino Superior, Ensino Médio e Ensino Técnico estão permitidas desde 21 de setembro.

COMPARTILHAR