Saiba como bombeiros salvaram criança engasgada em Santo Antônio da Patrulha

Militares realizaram cinco manobras de desobstrução das vias aéreas do menino Francisco, de 3 anos. Câmeras de monitoramento do quartel registraram o salvamento. Veja o vídeo e o depoimento de um dos bombeiros e da mãe do garoto

Uma ação rápida do Corpo de Bombeiros Militar (CBM) salvou a vida de um menino de três anos neste fim de semana em Santo Antônio da Patrulha. A equipe de plantão retornava para o quartel após um trabalho preventivo em um evento realizado no município, nesse sábado (17), quando familiares da criança entraram na base em um carro e pedindo socorro.

A mãe de Francisco Gil Bitencourt, Brendha Bitencourt Cardoso, contou ao Litoral na Rede que o garoto se engasgou aproximadamente 30 minutos após tomar a mamadeira e que optaram por pedir socorro aos Bombeiros porque moram perto do quartel e demoraria mais para levar a criança ao hospital.

“Não sei como consegui raciocinar e pensar, mas morando perto dos bombeiros e acreditando que ele estava afogado, foi a primeira coisa que eu pensei”, lembrou a auxiliar de escritório.

Em entrevista ao Litoral na Rede, comandante do socorro que estava de plantão, sargento Gabriel Chaves, relatou como foi o trabalho para reanimar rapidamente o garoto:

“Ele estava desfalecido, bem molezinho, a boquinha um pouquinho arroxada, o que mostra que estava sem oxigenação. Então a gente teve que ser rápido e fazer os procedimentos corretos. A gente não sabia quando tempo essa criança estava sem ventilação, sem respirar. Em média, até três minutos a pessoa não tem sequela”, explicou o sargento.

As manobras para desobstrução das vias áreas foram realizadas no pátio do quartel. Foi preciso cinco tentativas até o garoto reagir. Primeiro, os bombeiros adotaram a “manobra de Heimlich”, inventada em 1974 pelo médico alemão Henry Heimlich, que consiste em provocar a expulsão do que está obstruindo a via aérea ao fazer uma forte pressão com as mãos na boca do estômago da pessoa.

Após tentativas com essa técnica, mas sem obter sucesso, eles adotaram a técnica de tapotagem. “Virei o menino, botei ele no meu antebraço, de cabeça pra baixo, pra já expelir aquele material que tinha. Dei três tapinhas nas costas, depois mais duas vezes. O colega estava olhando pra ele pra ver se tinha alguma reação, ele reagiu, deu uma tossida”, relatou o sargento Chaves ao Litoral na Rede.

Imediatamente, o sargento e os soldados Dornelles e Da Mata, que também participaram do salvamento, encaminharam o menino para o Hospital de Santo Antônio da Patrulha. O garoto ficou em observação até às 6h da manhã deste domingo (18) e já está em casa.

A mãe destacou a importância do atendimento dos bombeiros para salvar a vida de Francisco. “Até então ele não respirava, não respondia nada. Depois do primeiro atendimento, a respiração dele começou a voltar ao normal. Então, ele chegou ao Hospital já respirando melhor”, disse Brendha.

“É bem gratificante a gente poder ajudar. A gente teve a oportunidade de não desfazer, de não desestruturar uma família. Uma perda, a gente sabe como desestrutura uma família, ainda mais uma criança pequena”, disse emocionado o sargento que participou do salvamento.

Veja o vídeo do salvamento

“Francisco é fascinado pelos bombeiros”, conta a mãe do garoto

Francisco com seus caminhões de bombeiros depois de ter alta do Hospital neste domingo. Foto: Arquivo pessoal

O menino não lembra que foi salvo pelos bombeiros e que andou em uma viatura do CBM. Mas, mesmo antes disso, apesar de ainda pequeno, já tinha grande encantamento pela Corporação. “O Francisco, desde muito novinho, ele é louco pelos bombeiros. Tem três caminhões dos bombeiros. Não pode ver o caminhão dos bombeiros que já começa a gritar e abanar. Ele é fascinado pelos Bombeiros” contou a mãe.

Brendha disse que agradeceu a ação dos militares que estiverem no hospital para ver como estava o seu filho. A auxiliar de escritório pretende levar o garoto até o quartel para reencontrar a equipe que o salvou. Segundo ela, os médicos relataram que a criança sofreu uma convulsão após tomar a mamadeira, o que teria provocado a obstrução e impedido a respiração.

Na manhã deste domingo, o garoto estava brincado em casa, inclusive com as réplicas que tem dos caminhões de bombeiros.

COMPARTILHAR